Nesta quinta-feira (31), a revista semanal norte-americana Enternatinment Weekly publicou uma rodada de entrevistas com o cinegrafista do filme "Nasce Uma Estrela".

Falando sobre a criação do processo criativo do longa-metragem e detalhes do trabalho do diretor e protagonista Bradley Cooper, Matthew Libatique, além disso, comenta o processo de transformação de Lady Gaga na promissora e talentosa Ally, papel da cantora nesse quarto remake.

Leia a tradução da notícia abaixo:

"Cinegrafista de 'Nasce Uma Estrela' sobre proteger a transformação de Lady Gaga"

Há muito tempo você vê o mundo filtrado pelos olhos de Matthew Libatique, já que o cineasta de 50 anos de idade conta histórias de Darren Aronofsky (Cisne Negro), Spike Lee (Chi-Raq) e mais, ao longo de seus 26 anos de carreira. Agora, com uma nova indicação ao Oscar por filmar o indicado a Melhor Filme do diretor/ator Bradley Cooper, "Nasce Uma Estrela", é hora do mundo vê-lo.

“Existe algo sobre a cultura Filipina, que quando alguém obtém sucesso, a nação inteira comemora,” diz Libatique, cuja vitória potencial faria dele a primeira pessoa das Filipinas a conseguir a honra de Melhor Cinegrafista. E eles têm muito o que celebrar através da visão elogiada de Libatique — incluindo close-ups ternos e iluminação angelical — a respeito da visão de Cooper sobre o romance musical clássico que ele co-estrela com Lady Gaga.

“Onde nós colocamos a câmera para cada performance era como se estivéssemos gravando uma cena de diálogo,” ele continua, adicionando que ele teve que diminuir o ritmo para “proteger” a confiança de Gaga nele para a sua transformação em uma cantora promissora, Ally, que forja uma carreira — e um relacionamento turbulento — com o cantor em declínio de Cooper, Jackson. “Você está olhando para alguém que é uma das maiores estrelas do nosso mundo, e ser capaz de colocar isso de lado, se tornar a Ally e mostrar aquela vulnerabilidade, eu não quero atrapalhar aquilo.”

Ousado e convidativo, profundo, mas íntimo, o escopo de Libatique é tão fácil de sentir quanto é fácil de assistir. Leia a conversa da EW com o cinegrafista já indicado duas vezes ao Oscar.

ENTERTAINMENT WEEKLY: As luzes vermelhas e verdes nesse filme foram uma forma tão poderosa de apresentar essa história. Qual foi a inspiração para isso e o que significa no contexto do filme banhar a história com esses tons?

MATTHEW LIBATIQUE: "O esquema de cores nasceu da necessidade de criar um personagem verdadeiro para Jackson Maine. A primeira imagem é dele no palco em frente a milhares de pessoas…. O esquema de cores que você vê no palco com ele é algo que foi pré estabelecido antes mesmo de entrarmos na história. Vermelha foi a cor que usamos para conectá-lo com Ally, então isso brinca com o momento que você a vê pela primeira vez no palco em sua homenagem a Edith Piaf. O vermelho existe ao redor do bar porque tem muito a ver com sua conexão com o álcool e sua conexão com a música. Aquela cor se reintroduz [frequentemente], e se reintroduz em “Shallow”, quando ela apresenta a música pela primeira vez na frente de pessoas e no bar quando eles começam a se conectar, então é uma cor recorrente e existe no decorrer de todas as performances até o fim, onde você não vê aquela cor e meio que se transforma em uma luz branca de sobriedade".

O filme parece tão íntimo e visualmente contido em oposição à maioria dos filmes de shows, que parecem momentos caóticos e alastrantes. Você foi para dentro e a câmera está tão focada em rostos e close-ups, e isso torna a coisa toda uma experiência muito íntima.

"Bradley teve a ideia desde cedo de que talvez deveríamos filmar todos os shows e todas as performances a partir da perspectiva do palco, para que permaneçamos subjetivos com os personagens na esperança de que o público sinta como é estar no palco como pessoa, e toda vez que íamos investigar observando a perspectiva do público, estávamos desconectados dessa experiência subjetiva de Ally ou Jack".

E você tem experiência com clipes musicais, então estou imaginando como você traduziu isso para este filme - especialmente nas cenas em que Gaga se apresenta no SNL.

"Tenho certeza de que isso tem alguma influência, mas além disso, abordamos todas as apresentações de shows como se fosse uma cena narrativa. Se você ouvir as letras, todas elas têm alguma influência na narrativa. Onde colocamos a câmera [para] cada apresentação foi como se estivéssemos gravando uma cena de diálogo. Para mim, da minha experiência passada, foi como eu mudei e modulei a luz para criar impacto e sincronizar com o que estava acontecendo no ritmo da música. Eu não vi influência direta com clipes; foi uma influência mais psicológica da minha experiência passada. Eu não acho que usei essas experiências.

Aprendi muito no Straight Outta Compton: a história do N.W.A em termos de cenas narrativas que acontecem no palco, mas esse filme era mais sobre o espetáculo para pessoas com as quais todos já estavam familiarizados, e isso era mais sobre pessoas que precisávamos estabelecer como pessoas reais, tentando criar um mundo real de música. Eu estava mais focado na parte de filmagem e narrativa do que na parte do espetáculo… E eu aprendi muito com Cisne Negro sobre como iluminar um show, como a luz é parte da linguagem de uma performance, seja no balé ou na música".

Provavelmente não é fácil capturar um dos maiores músicos do mundo que já se apresentou no Super Bowl como uma estrela vulnerável tocando no palco pela primeira vez. Como você conseguiu isso?

"Eu queria fazê-la se sentir confortável e protegida; Eu não queria que ela se preocupasse com nada. Eu queria que ela se ajustasse e os dois, como atores, pudessem se apresentar em posições improvisadas, então se eles se sentissem desconfortáveis ​​em um lugar e quisessem mudar para outro, eu mantive a iluminação ampla para que tivéssemos esse elemento….

Bradley fez coisas tão criativas que ele precisava desse espaço. Para o filme inteiro, não importa se era um show ou uma cena narrativa, eu continuei pensando o mais amplo possível com um olho em protegê-la e me certificando de que havia uma confiança ali e que ela não precisava se preocupar com onde ela estava procurando ou onde ela tinha que estar. Eu queria tirar as restrições que você impõe aos atores que fizeram isso por 10 filmes, eu queria que ela tivesse a liberdade de ser uma pessoa e se tornar Ally. Você está olhando para alguém que é uma das maiores estrelas em nosso mundo, e conseguir isso e se tornar Ally e mostrar essa vulnerabilidade, eu não queria atrapalhar".

Para ter acesso à matéria oficial da Entertainment Weekly, clique aqui.

Acompanhe todas as novidades sobre a Lady Gaga em nossas redes sociais: Facebook, Twitter e Instagram.

Tradução por Vanessa Braz de Queiroz