O álbum

Data de lançamento: 18 de novembro de 2009.
Posição máxima na Billboard 200: #5
Produtores: RedOne, Ron Fair, Teddy Riley, Space Cowboy, Rodney Jerkins e Fernando Garibay.

O The Fame Monster é o segundo álbum de estúdio de Lady Gaga, lançado em 18 de novembro de 2009 (ele fora anunciado em 14 de junho do mesmo ano, no lançamento do Singtel AMPed, em Singapura). As oito faixas do álbum estavam inicialmente destinadas a serem parte do relançamento do álbum de estreia de Gaga, The Fame. Contudo, a cantora anunciou que as novas músicas também estariam disponíveis como um álbum em separado, pois representavam um corpo de trabalho musical e conceitualmente distinto, prescindindo das músicas do The Fame como apoio.

Em 22 de maio de 2009 um breve tweet de Gaga com a palavra "Monster" foi o primeiro sinal da chegada de um novo ciclo em sua carreira. Ao Daily Star, ela disse:

"Eu tenho uma obsessão com a morte e com o sexo. Essas duas coisas são também a linha condutora dos filmes de terror, algo pelo qual eu tenho andado obcecada ultimamente. Eu tenho assistido filmes de terror e ficções científicas da década de 50. O meu relançamento é chamado The Fame Monster, então, eu tenho, de forma bulímica, comido e regurgitado filmes de monstros e outras coisas assustadoras. Eu simplesmente tenho notado um ressurgimento dessa ideia de monstro, de fantasia, mas de uma forma bem realista. Se você prestar atenção, nesses filmes há sempre uma justaposição de sexo e morte. É isso que faz eles tão amedrontadores. Corpo e mente estão preparados para um orgasmo, mas ao invés disso alguém é morto”, contou.

Assim, a sua confessa obsessão pelos filmes de terror (não é surpresa, portanto, que mais tarde ela tenha entrado para o elenco de American Horror Story) e a ideia da fama como um monstro que consome aqueles que a buscam, que ela materializa na figura da celebridade decadente - várias delas, como Judy Garland e Marilyn Monroe, mencionadas em Dance in the Dark -, foram o norte de sua nova fase artística. Por coincidência, antes mesmo de decidir acerca do nome do álbum, Gaga já havia escrito a faixa Monster. A cantora vai além e identifica cada uma das faixas com medos pessoais experimentados por ela entre 2008 e 2009, período em que ganhou maior destaque na cena pop:

"Eu escrevi sobre tudo o que eu não escrevi em The Fame. Viajando pelo mundo por dois anos eu encontrei vários monstros, cada um representado por uma música diferente do meu novo disco: meu “monstro do medo do sexo”, meu “monstro do medo do álcool”, meu “monstro do medo de amar”, meu “monstro do medo de morrer”, meu monstro do medo da solidão”, etc... Eu passei muitas noites no leste europeu e este álbum experimenta com batidas industriais/góticas, melodias dance dos anos 90, uma obsessão com a genialidade do pop melancólico dos anos 80 e com as passarelas. Eu escrevi assistindo desfiles de moda sem áudio e eu me sinto compelida a dizer que minha música foi escrita para eles", revelou Gaga.

Gaga comparou o tom de The Fame e The Fame Monster dizendo que eles são opostos complementares, respectivamente, yin e yang. Ela disse sentir essa dicotomia dentro de si mesma, uma sensação de luto quanto ao passado e de ansiedade quando ao futuro. Este tom e os temas citados pela cantora orientaram o desenvolvimento visual do álbum, sobretudo a capa e as imagens do encarte - fotografadas pelo fotógrafo e estilista Hedi Slimane -, o que gerou um debate entre Gaga e sua gravadora, que entendia que não ser a estética "pop o suficiente" para fidelizar o público que a cantora havia acabado de conquistar.

A promoção do álbum foi extensa, iniciando com uma participação no programa Saturday Night Live, passando por diversos talk shows - dentro e fora dos Estados Univos - e premiações. Gaga chegou mesmo a participar de um episódio da séria Gossip Girl, em que cantou Bad Romance.

Gaga anunciou também uma turnê a ser conduzida em parceria com Kanye West, a Fame Kills Starring: Lady Gaga and Kanye West, embora o projeto tenha sido abandonado após o incidente entre Kanye West e Taylor Swift no VMA de 2009.

O álbum recebeu, em geral, críticas positivas, embora muitos tenham avaliado que ele não seria um passo adiante significativo para Gaga. The Fame Monster vendeu 1.600.000 cópias nos Estados Unidos. O relançamento foi o álbum com melhores vendas em 2010, com 5,9 milhões de unidades vendidas ao redor do mundo.

Singles

Bad Romance

Lançada como single em 19 de outubro de 2009, Bad Romance chegou ao #2 na Billboard Hot100. A música tem produção de RedOne, tendo sido indicada a 10 VMAs em 2010. O videoclipe foi dirigido por Francis Lawrence.

Telephone

Lançada como single em 26 de janeiro de 2010, Telephone chegou ao #3 na Billboard Hot100. A música tem produção de Rodney Jerkins e colaboração de Beyoncé, tendo sido a parceria feminina mais lucrativa da história. Em 2010, foi indicada ao VMA de Vídeo do Ano, mas perdeu para Bad Romance. O videoclipe foi dirigido por Jonas Åkerlund.

Alejandro

Lançada como single em 20 de abril de 2010, Alejandro chegou ao #5 na Billboard Hot100. A música tem produção de RedOne e a direção do videoclipe foi feita por Steven Klein.

Dance in the Dark

Lançada como single promocional em 26 de julho de 2010, Dance in the Dark não foi contabilizada para o Hot100 da Billboard. A música tem produção de Fernando Garibay e não possui videoclipe.

A turnê

The Monster Ball Tour é a segunda turnê de Lady Gaga, para promover The Fame Monster, o seu segundo álbum de estúdio. A turnê foi anunciada oficialmente no dia 15 de outubro de 2009, após a sua turnê conjunta com Kanye West, intitulada “Fame Kills”, ter sido cancelada de repente. Descrita por Gaga como “a primeira ‘pop electro opera’ do mundo”, a The Fame Monster Ball Tour se iniciou quatro dias após o lançamento de The Fame Monster.

Inicialmente, Kanye West e Lady Gaga tinham planos de lançar uma turnê em conjunto. Fame Kills foi confirmada em setembro de 2009, como uma turnê em conjunto entre os dois artistas. Após a polêmica envolvendo Kanye West no MTV Video Music Awards de 2009, o cantor divulgou um comunicado à imprensa dizendo que faria uma pausa em sua carreira, após a reação do público em relação a sua atitude durante o recebimento do prêmio de melhor vídeo feminino dado a Taylor Swift na premiação. Ainda assim, a agenda completa da turnê chegou a ser divulgada, a primeira data sendo 10 de novembro de 2009, em Phoenix, no estado do Arizona. Pouco tempo depois, a turnê foi oficialmente cancelada sem maiores explicações. Gaga comentou a situação em uma entrevista dizendo “Kanye irá tiras umas férias, mas a boa notícia é, eu não."

Após comunicar o público que ela sairia em turnê solo, Gaga oficialmente anunciou a The Monster Ball Tour no dia 15 de outubro de 2009. A turnê estava planejada originalmente para começar em Londres no início de 2010, porém foi adiantada e estreou em Montreal, no Canadá, em 27 de novembro de 2009. O rapper Kid Cudi, e o cantor Jason Derülo, foram confirmados como ato de abertura. Enquanto Kid Cudi foi confirmado para fazer parte da turnê desde o início, Jason Derülo só começaria a partir de 16 de dezembro de 2009. Kid Cudi deixou de fazer parte da turnê após o show de 14 de dezembro, por conta de seu comportamento inapropriado com um fã. O poster oficial da turnê mostra Gaga usando seus óculos da grife Versace e o que ela apelidou de “A Órbita”, que ela usou pela primeira vez em 3 de outubro de 2009, no programa Saturday Night Live. A peça foi criada pelo designer Nasir Mazhar em conjunto com a equipe criativa de Gaga, a Haus Of Gaga.

A turnê se encerrou no dia 6 de maio de 2011, contando com 201 shows no total, em quatro continentes.

Um especial sobre a turnê, foi ao ar no canal HBO, intitulado Lady Gaga Presents the Monster Ball Tour at Madison Square Garden. O especial foi dirigido por Laurieann Gibson e mostrava o show na famosa casa de espetáculos de Nova Iorque.

Algumas apresentações