“Born This Way” é o terceiro álbum de estúdio de Lady Gaga, lançado em 23 de maio de 2011. As gravações ocorreram em 2010, durante a “The Monster Ball Tour”. Nas próprias palavras de Gaga, o álbum é:

"Muito mais vocal do que o que eu sempre fui capaz de fazer. É mais eletrônico, mas eu me casei com um vocal muito teatral. É como uma peça gigante de teatro musical-opus", disse a cantora.

Trazendo elementos de ópera, heavy metal, disco e rock and roll, fundidos ao synthpop, com sons de electropop e dance, ”Born This Way” se destacou por sua sonoridade totalmente diferente dos trabalhos anteriores da cantora.

Considerado um dos álbuns mais esperados de 2011, foi recebido pela crítica especializada com opiniões, em sua maioria, positivas, elogios aos vocais e aos estilos musicais variados do álbum. Porém, o uso repetitivo de temas religiosos, sinos de igreja e vozes de monges em algumas das faixas, provocaram reações negativas de grupos religiosos de diversos países, incluindo o Líbano, onde o álbum foi temporariamente banido.

Apesar desses conflitos, o disco liderou as paradas musicais em mais de 23 países. Em 1º de junho de 2011, ”Born This Way” se tornou o álbum mais vendido do mundo. Com 288.000 cópias vendidas em seu primeiro dia e 1.108.000 em sua primeira semana nos Estados Unidos. Vendeu mais de 1 milhão de cópias fora do país. O álbum também estreou no primeiro lugar na Austrália, Áustria, Brasil, Dinamarca, França, Alemanha, Índia, Irlanda, Japão, Nova Zelândia, Noruega, Coréia do Sul, Suécia, Suíça e Taiwan.


CRIAÇÃO

Durante uma entrevista à MTV britânica, em março de 2010, Gaga afirmou que havia começado o desenvolvimento de um novo álbum e que já havia terminado de escrever o conceito principal.

"Sem dúvidas, este é o meu melhor trabalho até hoje. A mensagem, a melodia, a direção, o sentido. É uma libertação total", contou.

Alguns meses depois, em entrevista à edição de agosto da revista Rolling Stone, Gaga confirmou a conclusão das gravações do novo álbum.

"Acho que eu simplesmente vou mandar tatuar o nome do álbum no meu corpo e divulgar a foto. Já faz meses que estou trabalhando nele, e agora estou sentindo mesmo que está terminado. Veio muito rápido. Alguns artistas demoram anos; eu não. Escrevo música todos os anos. Quero muito tocar uma coisa para você. Desligue o gravador por um segundo. [O gravador é desligado, e ela canta a faixa-título do disco novo]. Esse refrão, tipo, veio para mim, juro, eu nem escrevi. Acho que Deus jogou no meu colo. E juro que agora, quando eu escrevo música, sinto uma urgência de proteger e cuidar dos meus fãs."

A primeira música presente no álbum a ser apresentada ao público foi ”Yoü and I”, no The White Tie and Tiara Ball, em 24 de junho de 2010, evento criado pelo cantor Elton John e seu esposo, David Furnish, para arrecadar fundos para a Elton John AIDS Foundation.

Quatro dias depois a canção foi adicionada à setlist da turnê ”The Monster Ball”, surpreendendo os fãs e gerando diversas especulações de que a música seria o primeiro single do álbum.

No programa The Today Show, no mês seguinte, Gaga apresentou a música pela primeira vez na TV, afirmando que o arranjo não era um indicativo do som do novo álbum e que iria soar bem diferente.


Em 15 de julho, Fernando Garibay, um dos principais produtores do álbum, publicou em seu Twitter que estava trabalhando com Gaga.

"E aconteceu. @ladygaga e eu acabamos de terminar uma gravação de proporções monstruosas."


Em 11 de agosto, enquanto conversava com Ryan Seacrest na “KIIS-FM”, Gaga afirmou que apesar de ter dito que já havia finalizado o álbum, não conseguia parar de escrever músicas novas e que já tinha material para mais dois discos. Ela disse que queria criar um álbum inovador com uma mensagem inovadora e que havia conseguido amigos para ajudar a produzi-lo.

No dia 18 de agosto de 2010, RedOne falou para a Billboard sobre o álbum:

“Vai ser chocante, chocante, chocante! Você nunca quer ir longe demais da sua marca - as pessoas amam você por um motivo. Mas ainda queremos dar-lhes algo como um chute, algo que os faça dizer: 'Meu Deus! Nós não esperávamos isso!’. Quando você ouviu ‘Bad Romance’ depois de ‘Poker Face’, foi como a melhor coisa que você já ouviu. Nós queremos esse tipo de reação. Eu acho que isso faz parte do meu trabalho e do seu trabalho - mantê-la em evolução”, disse o produtor

No dia 12 de setembro, no MTV Video Music Awards, Lady Gaga se destacou na premiação não só por sua aparição com o famoso vestido de carne, mas também por receber o Troféu de Vídeo do Ano por “Bad Romance", sendo a artista mais premiada da noite. Ela havia prometido que, se vencesse, revelaria o título do novo álbum. Ela então cantou um pequeno trecho do refrão de “Born This Way”, revelando ao mundo o nome do álbum.

No dia 13 de setembro, enquanto estava no Aeroporto Internacional de Los Angeles, Gaga revelou uma tatuagem na coxa esquerda, feita em homenagem ao álbum: um unicórnio com o nome do álbum em volta de seu chifre. O plano era realizar a tatuagem na véspera de Ano Novo de 2010, mas a cantora acabou fazendo a tatuagem no dia 6 de setembro e a mantendo em segredo até o dia 13.

Em uma entrevista ao The Hollywood Reporter, em 31 de maio de 2011, Garibay falou sobre como foi gravar um álbum inteiro enquanto Gaga estava em turnê. O produtor também falou um pouco sobre o processo de segurança para que o material não vazasse na internet.

"Passos extremos (foram dados). Estávamos na estrada por um ano e dois meses, então houve muitas tentativas de invasão em nossas contas de e-mail, nossas contas no Twitter, nossas contas no Facebook, tudo ao nosso redor. Fomos alvos. Então, o que fizemos foi garantir que todos os nossos computadores estivessem off-line o tempo todo - nenhum de nossos computadores de trabalho estava on-line a qualquer momento e fomos muito cuidadosos sobre onde deixamos nossos discos rígidos e dispositivos de armazenamento."

"É injusto que um de seus esboços seja lançado quando é apenas um esboço. Fazer justiça é lançar uma obra de arte completa. Então, sob essas diretrizes, fomos muito cautelosos sobre como criamos esse álbum, como pudemos sacrificar a criatividade, e nós não sacrificamos a segurança, também... É engraçado porque, agora, estando fora da turnê, eu deveria me sentir mais leve porque eu estou acostumado a carregar todas as minhas coisas comigo. É como carregar uma carteira, ela se tornou uma parte de nós."

Garibay também explicou sobre como o processo de edição do álbum foi feito.

"Para cada música, tivemos em média cerca de 50 versões, porque ela era muito perfeccionista. Ela queria dar o melhor produto possível para seus fãs. Eu a compararia a trabalhar em cinco álbuns ao mesmo tempo. Foi muito trabalho, eu não dormi por um mês, apenas tirava uma soneca. E quando ela não estava feliz com nenhuma das versões e queria começar de novo, eu tinha que ser o único a fazê-lo. Isso aconteceu várias vezes - ele teve que passar por todas essas versões para evoluir para o produto final. Porque na cabeça dela, é como: ‘Quero ouvir a versão completa do rock, quero ouvir a versão completa de dança, quero ouvir a versão completa do techno, quero ouvir a versão completa do New Wave’. E uma vez que ela ouve e vê todas as cores com as quais está trabalhando, ela pode finalmente ajudar a pintar a imagem final. Que é assim que funciona. Você não pode chegar ao ponto final na cabeça dela sem desenhar cada pintura individual ou experimentar cada cor individual. Dessa forma, você sabe quais são as possibilidades."

Além de Fernando Garibay e RedOne, ”Born This Way” contou com a produção de Clinton Sparks, Cheche Alara, DJ Snake, DJ White Shadow, Jeppe Laursen, e Robert John Lange.


CAPA E TRACKLIST

À meia-noite da véspera de Ano Novo de 2010, Gaga divulgou a primeira foto da nova Era em seu Twitter. Ela também disse que o álbum estava previsto para ser lançado em 23 de maio de 2011, e o primeiro single, em 13 de fevereiro.

Em 14 de fevereiro de 2011, um novo pôster com uma foto em preto e branco surgiu nas ruas de São Francisco com a cantora usando várias próteses nas bochechas e na testa, com a palavra "GAGA" em vermelho, e a data de lançamento do álbum logo abaixo - "5 † 23 † 11".


A capa e lista das músicas presentes em ”Born This Way” foram divulgadas por Gaga três semanas antes do lançamento do álbum, através de seu perfil no Twitter.

As fotos revelaram na versão standard do disco, nossa Mother Monster fundida em uma motocicleta, com apenas os dizeres ”Born This Way” em uma fonte cromada na parte superior. Já a edição especial, revelou um close da cabeça de Gaga com seu nome junto ao do álbum, escrito no canto superior esquerdo. A foto usada na capa foi tirada em 14 de dezembro de 2010 durante um ensaio realizado pelo famoso fotógrafo e diretor britânico Nick Knight, responsável por diversos trabalhos com a cantora, dentre eles as interludes da ”Monster Ball Tour”.

Além das fotos, um nome em específico chamou a atenção. Após a polêmica de “Judas” e seu simbolismo religioso, uma música chamada “Black Jesus † Amen Fashion” despertou a fúria de grupos religiosos. O álbum recebeu em alguns países o selo “Parental Advisory”, que foi colocado no canto inferior direito, revelando conteúdo explícito, além disso, em suas letras e até mesmo no encarte, todas as palavras consideradas como impróprias já vieram censuradas.

No Gagavision nº 42, durante uma reunião da Haus of Gaga, Lady Gaga explicou sobre a edição especial do álbum não possuir a palavra ”deluxe”, muito comum em edições especiais com músicas extras. No site da Amazon, esta edição do álbum está listada como "Extended Edition". Na Wikipedia, é chamado de "Special Edition", mas o nome oficial lançado é “Bonus Track Version”.

Assista ao momento em que Gaga fala a respeito (a partir de 1 minuto e 47 segundos):

Os episódios 41, 42, 43 e 44 da webserie foram todos dedicados ao lançamento do álbum, contendo dicas, informações e instrumentais das canções.

Do dia 23 de maio a 21 de junho de 2011, o SHOWstudio lançou um pôster de 30 peças, uma por dia, da capa colorida da versão standard do álbum, chamado "Smoke & Mirrors".


Standard Version:

  1. "Marry the Night"

  2. "Born This Way"

  3. "Government Hooker”

  4. "Judas"

  5. "Americano”

  6. "Hair"

  7. "Scheiße"

  8. "Bloody Mary"

  9. "Bad Kids"

  10. "Highway Unicorn (Road to Love)"

  11. "Heavy Metal Lover"

  12. "Electric Chapel"

  13. "Yoü and I"

  14. "The Edge of Glory"

“Born This Way (Jost & Naaf Remix)” está disponível como faixa 15, um bônus internacional para alguns países como o Brasil.

No Japão, "Born This Way (LLG vs. GLG Radio Remix)” foi adicionado como faixa 16.

Na América do Norte, “Judas (Thomas Gold Remix)” estava disponível apenas para pessoas que comprassem o álbum através da iTunes Store antes de 29 de maio de 2011 e foi distribuído por meio de um código enviado por e-mail até 2 de junho.

Na Índia, a faixa 15 e 16 inclui "Born This Way Salim-Sulaiman ‘Bollywood’ Remix” e ”Shock Culture ‘UK Desi Hits!’ Remix”.


Bonus Track Version:

Disc Nº 001:

  1. "Marry the Night"

  2. "Born This Way"

  3. "Government Hooker”

  4. "Judas"

  5. "Americano”

  6. "Hair"

  7. "Scheiße"

  8. "Bloody Mary"

  9. "Black Jesus † Amen Fashion"

  10. "Bad Kids"

  11. "Fashion of His Love"

  12. "Highway Unicorn (Road to Love)"

  13. "Heavy Metal Lover"

  14. "Electric Chapel"

  15. "The Queen"

  16. "Yoü and I"

  17. "The Edge of Glory"

Disc Nº 002:

  1. "Born This Way (Country Road Version)"

  2. "Judas (DJ White Shadow Remix)"

  3. "Marry the Night (Zedd Remix)"

  4. "Scheiße (DJ White Shadow Mugler)"

  5. "Fashion of His Love (Fernando Garibay Remix)"

“Born This Way (Jost & Naaf Remix)” está disponível como faixa 15, um bônus internacional para alguns países como o Brasil.

No Japão, "Born This Way (LLG vs. GLG Radio Remix)” foi adicionado como faixa 7 no Disc Nº 002.

Na América do Norte, “Judas (Thomas Gold Remix)” estava disponível apenas para pessoas que comprassem o álbum através da iTunes Store antes de 29 de maio de 2011 e foi distribuído por meio de um código enviado por e-mail até 2 de junho.

Na Índia, as faixas 6 e 7 no Disc Nº 002 incluem "Born This Way Salim-Sulaiman ‘Bollywood’ Remix” e ”Shock Culture ‘UK Desi Hits!’ Remix”.

Outro detalhe que tornou essa versão especial foi que, em algumas tiragens, a cruz de “Black Jesus † Amen Fashion” acabou ficando torta. Essas versões se tornaram, de certa forma, uma “raridade” entre os fãs.


Além das versões principais, a versão USB de edição limitada e uma edição de colecionador foram disponibilizadas, assim como ocorreu com os álbuns anteriores, ”The Fame” e ”The Fame Monster”.

Limited Edition USB Drive:

Uma unidade USB especial com um total de 2 GB, sendo um pouco menos de 1 GB usados para o conteúdo. A versão incluía 22 músicas, 3 videoclipes ("Born This Way", “Judas” e “The Edge of Glory"), 4 episódios da webserie Gagavision (de 41 a 44) e uma galeria de fotos com os photoshoots de Mariano Vivanco e Nick Knight. Um conteúdo especial estava disponível on-line para os proprietários do drive USB. O conteúdo continha a apresentação ”Lady Gaga x SMAP” e o show “Sydney Monster Hall”.


Uma edição especial do álbum foi lançada em vinil na América do Norte.

Limited Collector’s Edition:

O conjunto possuía uma caixa de vinil de 12 polegadas contendo 9 discos com as 17 faixas da versão especial, tendo uma música em cada lado exceto o último (Gaga gravou uma mensagem especial no vinil). Cada canção recebeu sua própria capa, realizadas com o photoshoot do álbum. As únicas com capas diferentes foram “Marry The Night”, “Born This Way” e “Judas”. Além dos discos, um pôster, um cartão de identificação com foto personalizada do Little Monster e um número único dando acesso a ofertas especiais, e um download do álbum completavam o box. A loja no site oficial da cantora vendeu um pacote exclusivo, incluindo o Box Set com uma camiseta “Born This Way”.

Fotos por nothingmissing (Propagaga).


Born This Way – The Collection:

“Born This Way – The Collection” foi uma versão composta por três digipaks de papelão contendo o álbum “Born This Way”, o DVD “Lady Gaga Presents: The Monster Ball Tour at Madison Square Garden” e o ”Born This Way - The Remix”. Cada um dos conteúdos teve seu respectivo livreto sem nenhum texto na capa. O box apresentava como capa uma foto exclusiva da sessão de fotos do álbum por Nick Knight e uma etiqueta de aviso Parental Advisory devido a algumas músicas e falas no DVD serem explícitas.


PROMOÇÃO E DIVULGAÇÃO

SINGLES:

“Born This Way” teve ao longo de sua divulgação 7 singles.

“Born This Way”

Lançado em 11 de fevereiro de 2011, o first single chegou ao #1 na Billboard Hot100. A música tem produção de Jeppe Laursen, Fernando Garibay e DJ White Shadow. O videoclipe foi dirigido por Nick Knight e pela Haus Of Gaga.


“Born This Way (Country Road Version)” (Lançada com single promocional)

Em 25 de março de 2011, Gaga lançou uma versão alternativa de ”Born This Way”, chamada de "Country Road Version". Esta versão também foi lançada como um presente para seus fãs (quando ela se tornou a primeira pessoa no Twitter com 9.000.000 de seguidores). Em 5 de abril de 2011, a versão foi disponibilizada no iTunes como single promocional com capa oficial, onde uma parte dos lucros foi destinada a GLSEN, uma instituição americana voltada para a educação e inclusão de jovens LGBTQ+.


“Judas”

Inicialmente planejada para ser lançada no dia 19 de abril, "Judas" foi lançada 4 dias mais cedo devido a vazamentos que ocorreram na época. A canção chegou ao #10 na Billboard Hot100. A música tem produção de RedOne. O videoclipe foi dirigido por Lady Gaga e Laurieann Gibson.


“The Edge of Glory”

“The Edge of Glory” assumiu o posto de terceiro single, depois de liderar as paradas de downloads em todo o mundo, sendo oficialmente lançada em 11 de maio de 2011. Chegou ao #3 na Billboard Hot100, teve produção de Fernando Garibay e videoclipe dirigido pela Haus of Gaga.


“Hair” (Lançada com single promocional)

Lançada como single promocional em 16 de maio de 2011, substituindo "The Edge of Glory", "Hair" chegou ao #12 na Billboard Hot100. A música tem produção de RedOne e não possui videoclipe.


“Yoü and I”

Capa alternativa

"Yoü and I" foi lançada em 22 de julho de 2011, chegando ao #6 na Billboard Hot100. A música tem produção de Robert John Lange e o videoclipe foi dirigido por Laurieann Gibson e Lady Gaga.


“Marry The Night”

Último single lançado em 15 de novembro de 2011, "Marry The Night" chegou ao #29 na Billboard Hot100. A música tem produção de Fernando Garibay. O videoclipe foi dirigido por Lady Gaga.


No dia 25 de dezembro de 2011, a canção “Stuck On Fuckin’ You”, que acabou ficando de fora da versão final do álbum, foi disponibilizada por Gaga, como um presente de Natal para seus fãs. Apesar de não ser considerado single oficial e nem ter ido para as plataformas digitais, teve seu lançamento realizado pela própria cantora, possuindo até mesmo uma capa oficial da era.


Em 3 de agosto de 2012, Lady Gaga revelou que sua escolha original de singles foi "Born This Way", "Marry the Night" (que primeiramente seria escolhida como single promocional de abertura), "Scheiße" e "The Edge of Glory". A cantora queria o lançamento de "Scheiße" porém a escolha não foi aprovada pela Interscope Records. Foi então que ela decidiu apresentar a música no curta criado para sua primeira fragrância, "Fame", como uma forma de eternizar uma de suas músicas favoritas.


CANÇÕES:

A primeira canção, "Marry the Night", traz uma nítida homenagem à Nova Iorque. Durante uma entrevista com para a Billboard, Gaga afirmou que a faixa foi uma das últimas do álbum, e que foi originalmente planejada para ser o segundo single.

A faixa seguinte, "Born This Way", serviu como faixa-título do álbum sendo uma verdadeira canção sobre aceitação e liberdade. Durante a entrega do prêmio de "Melhor Álbum Vocal Pop" no 53rd Grammy Awards, em 2010, Gaga afirmou que enquanto escrevia a música, idealizou Whitney Houston porque não se sentia segura o suficiente para se imaginar como uma superstar cantando a música.

Com elementos de ópera, "Government Hooker" foi inspirada em Marlyn Monroe e outras amantes da política. Gaga pensou e projetou o que as amantes sabiam e o que lhes afetavam. Uma curiosidade é que a voz masculina na música foi gravada pelo guarda-costas de Gaga, Peter van der Veen.

A quarta canção, “Judas”, fortemente criticada por grupos religiosos trouxe um tema sobre traição e arrependimentos com um triangulo amoroso entre Jesus Cristo, Maria Madalena e Judas Escariotes.

As seis faixas seguintes, "Americano", "Hair", "Scheiße", "Bloody Mary", "Bad Kids" e "Highway Unicorn (Road to Love)", foram todas gravadas no ônibus da ”Monster Ball Tour”.

A primeira, influenciada pelo ritmo mariachi, retrata o "sonho americano" junto a assuntos religiosos, culturais e políticos, inclusive a Lei de Imigração do Arizona, a ”Arizona SB 1070”, uma medida extremamente rígida implantada contra a imigração ilegal para aquele estado. Gaga revelou em uma coletiva de imprensa na Cidade do México que existem duas versões da música. Uma delas é uma versão mariachi interpretada completamente em espanhol. A versão nunca foi lançada oficialmente.

Em "Hair", a cantora expressa sua liberdade através de seus cabelos com uma melodia que cresce a cada parte da música, se tornando um hino de libertação com vocais firmes em “I am my hair.”

"Scheiße", uma canção totalmente dançante e feminista, carrega o título e partes da música em alemão e uma mistura de palavras sem sentido que Gaga inventou. A cantora revelou no Twitter que a música foi escrita um dia depois de uma festa na qual ela participou em Berlim e que se tratava de querer ser livre sem permissão.

"Bloody Mary", a oitava faixa, inclui um coro vocal masculino inspirado em cantos gregorianos. Em entrevista para a revista NME, Gaga explicou o tema da música.

"’Bloody Mary’ é bem sutil na verdade, é uma música sobre Maria Madalena sendo divina e humana ao mesmo tempo, com um subtexto (talvez não seja um subtexto) sobre o papel de uma mulher que é supostamente uma superstar e uma mulher real o mesmo tempo. Na vida talvez profundamente profunda, mas funciona como uma música pop."

"Bad Kids", a faixa seguinte, foi inspirada em histórias de Little Monsters que Gaga ouviu durante a “Monster Ball Tour”, e que a música foi uma homenagem à essas histórias. No encarte do álbum, existe uma parte da letra que não se encontra na versão final. Quando perguntada sobre esta parte em particular, Gaga respondeu que ela queria cantar a versão estendida ao vivo durante a “Born This Way Ball Tour” e que incluiu as letras no encarte para que os fãs pudessem cantar junto, no entanto, a versão estendida nunca foi executada e nem disponibilizada.

“Cuff me up sir I'm mad / At the relationship I got / Between my ass and your badge / I smoke, but I'm not into candy no-class / Though there might be some illegal shit / In my meat dress, I've got guns, up under my thumbs / Manicure is slick / You mad that my tips longer than your click? / Just a freedom hussy / Rebel fashion junkie / And I wanna serve my country / In the best way that I could be / So don't ask, 'cause I'll tell you I'm free, while you dwell / Throw your hands up in the crowd / Cause if you're bad kid and you're proud”

A décima faixa, "Highway Unicorn (Road to Love)", foi fortemente inspirada em Bruce Springsteen. Gaga revelou no Twitter que a música era sobre si mesma, viajando na estrada com nada além de um sonho (o que ocorreu na época em que estava compondo o álbum, viajando com a “Monster Ball Tour”.) No encarte, logo após a parte “Cause we’er gonna drink until we die.” há uma parte escrita do refrão, com palavras diferentes:

“We can be strong / We can be strong / Only the lonely ones win the race to love / We can be strong / We can be strong / Follow that unicorn on her lonely run.”

"Heavy Metal Lover" foi a última canção a ser gravada para o álbum e quase ficou de fora da versão satndard. Foi considerada como a faixa mais eléctrica e futurista do álbum, com produção baseada em sintetizadores e batidas electro-industriais.

Seguindo a lista, Lady Gaga revelou em uma entrevista ao SHOWstudio que ela chamou a “Monster Ball Tour” de "Electric Chapel" assim como o castelo usado na “Born This Way Ball Tour”, para onde seus fãs poderiam ir e ser quem eles quisessem. A canção é sobre a necessidade de se sentir seguro e encontrar o amor.

"Yoü and I" é uma balada rock and roll de ritmo lento com elementos de country rock e instrumentação consistente em piano e guitarra eléctrica tocada por Brian May, guitarrista da famosa banda de rock Queen. A música é sobre o relacionamento de Lady Gaga em 2007-2008 com Lüc Carl e foi escrita em Nova Iorque, em seu primeiro piano, na casa de seus pais. De acordo com as letras, a música descreve a tentativa de Gaga de recuperar seu amor perdido, o que ocorreu durante sua pausa na “The Monster Ball Tour”.

"The Edge of Glory" é a faixa de encerramento do disco. A principal inspiração de Gaga ao compor foi o seu avô, que estava doente na época, e chegou a falecer em setembro de 2010. O solo de saxofone realizado pelo músico Clarence Clemons se eternizou na música, assim como sua participação no videoclipe. Clemons veio a falecer pouco tempo depois, em junho de 2011.

Além das faixas principais, outras três canções foram incluídas na edição especial do ”Born This Way”.

"Black Jesus † Amen Fashion" carrega elementos da moda, religião e uma pequena referência ao início da carreira da nossa Mother Monster, em Nova Iorque. Ela revelou em um tweet que essa era a sua faixa bônus favorita do álbum.

Uma das primeiras faixas compostas para ”Born This Way”, "Fashion of His Love" contém uma referência ao falecido estilista britânico Alexander McQueen, que era um grande amigo da cantora. A ponte da música foi tirada de uma unreleased que Gaga escreveu com o DJ Space Cowboy, intitulada "Earthquake”.

A última das faixas bônus é "The Queen", contendo referências à valentia, feminismo e também a McQueen. Em uma declaração a fãs, ela disse que a canção a marcou muito devido a morte do Little Monster Jamey Rodemeyer, que tweetou um trecho da canção para ela antes de tirar a própria vida, devido ao bullying e a repressão que recebia da família por ser gay. “The Queen” teve sua primeira apresentação ao vivo realizada na ”Born This Way Ball Tour”, em São Paulo, como uma surpresa para os fãs brasileiros.

Em 8 de fevereiro de 2012 Lady Gaga anunciou a "Born This Way Ball Tour", realizada para divulgação do álbum. Foram 98 shows apresentados, passando pelas Américas, Ásia, Europa, África e Oceania, sendo também a primeira e única tour da cantora a passar pelo Brasil, nas cidades do Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre nas respectivas datas: 09, 11 e 13 de novembro de 2012. Você pode conferir mais informações sobre a turnê no Especial: “Welcome to The Born This Way Ball!”.


Além da turnê, divulgações foram realizadas em diversos programas televisivos assim como rádios e premiações. Gaga apresentou "Born This Way" pela primeira vez em 13 de Fevereiro de 2011, na 53ª edição do Grammy Awards, saindo de dentro de um ovo gigante, utilizando próteses no rosto e ombros e uma roupa de látex. A Era foi marcada por apresentações características com visuais e elementos significativos, muitos destes ligados aos videoclipes e simbolismos religiosos, bastante presentes no disco.

Você pode conferir as principais e marcantes apresentações de Gaga na ”Era Born This Way” clicando aqui.


CRÍTICAS E DESEMPENHOS

”Born This Way” recebeu críticas bastante positivas por profissionais especializados. O Metacritic, site americano que reúne críticas de álbuns, filmes, programas de televisão, entre outros, reúne um valor numérico de cada crítica computando uma nota média final, que é atribuída ao item avaliado. Com base em 34 comentários, ”Born This Way” recebeu uma média de pontuação de 71, o que significa "opiniões geralmente favoráveis".

O álbum rapidamente foi um grande sucesso no mundo todo, vendendo, até ao fim de 2011, mais de 5.773.100 cópias, além de ter se tornado também um dos álbuns com melhor desempenho em mais de trinta países e alcançando a posição máxima #1 na Bilboard 200 em sua primeira semana. Na última atualização mundial de vendas, o álbum contava com 7 milhões de cópias. O disco também recebeu certificações em mais de 27 países.

Em meio a diversas críticas, tanto positivas quanto negativas, ”Born This Way” continua sendo um dos álbuns mais promissores e importantes da carreira da Lady Gaga, sendo eleito, no fim do ano passado pela revista britânica NME, um dos 100 Melhores Álbuns da Década, e pela renomada revista norte-americana PAPER Magazine, um dos 10 principais álbuns da década.


A MENSAGEM

Tanto o álbum quanto a canção ”Born This Way” serviram de inspiração para Gaga e sua mãe, Cynthia Germanotta, fundarem, em fevereiro de 2013, a “Born This Way Foundation”, tendo como objetivo criar um "mundo mais corajoso e amável", ajudando jovens que sofrem algum tipo de abuso mental (bullying), além de criar espaços seguros, promover gentileza, aprendizagem de habilidades para a vida e oferecer oportunidades para a melhora de comunidades.

Um de seus projetos iniciais foi o Born Brave Bus, criado na segunda etapa da ”Born This Way Ball Tour”, que ficava estacionado em uma área reservada do show e atendia as pessoas presentes no local.

Em fevereiro desse ano, a Fundação completou 8 anos de existência e continua espalhando suas mensagens de bondade, aceitação e gentileza por onde passa, para diversas pessoas em todo o mundo.

O álbum como um todo foi especialmente voltado e feito para os Little Monsters. Em sua primeira página do encarte, a mensagem “This album is for ü”, traduzindo, “Esse álbum é para você”, deixa clara a dedicação e o amor de Gaga para com seus fãs. Diversas canções possuem referências envolvendo temas sociais, mensagens de sexualidade, feminismo, aceitação, liberdade, igualdade e empoderamento.

Tais mensagens foram recebidas com grande carinho pelos Little Monsters, fazendo com que o álbum seja lembrado até hoje como um dos mais especiais de toda a carreira de Lady Gaga.

Pra você, qual a melhor lembrança e qual a importância do ”Born This Way” na sua vida? Compartilhe com a gente!

Acompanhe todas as novidades sobre a Lady Gaga em nossas redes sociais: Facebook, Twitter e Instagram.